Siga-nos

Missão e Ministério Da Igreja De Jesus Cristo

A missão e o ministério da igreja consistem em seus propósitos e serviços concretos que têm o evangelho como ponto central. A missão e o ministério da igreja são diferentes de sua natureza, seus atributos, suas marcas e seus ofícios.

No centro dessa missão e ministério está o evangelho. A missão da igreja é o conjunto de seus propósitos ou objetivos em relação a Deus, aos seus membros e aos que estão fora da igreja.

Os ministérios são os serviços concretos que a igreja realiza no cumprimento de seus propósitos.

Embora haja muita diversidade entre as igrejas em relação aos seus ministérios, os mais comuns incluem adoração, proclamação, evangelismo, discipulado, socorros e engajamento cultural.

Entendendo a Doutrina Da Missão e Ministério da Igreja

Capítulos anteriores abordaram tópicos relacionados ao atual:

(1) A natureza da igreja (doxológica, centrada na Palavra, capacitada pelo Espírito, pactual, confessional, missional e “já, mas ainda não”).

(2) Seus atributos (una, santa, católica e apostólica)

(3) As marcas da Reforma (pregação, os sacramentos/ordenanças e [para alguns] disciplina da igreja).

(4) Seus cargos (bispado, presbiterato/pastorado e diaconato). Esses assuntos são diferentes de missão e ministério da igreja.

A missão e o ministério da igreja estão centrados no evangelho, as boas- novas de Cristo para a salvação de pessoas pecadoras.

É um anúncio duplo:

(1) o Filho de Deus encarnou, viveu uma vida sem pecado, sofreu, foi crucificado e sepultado, ressuscitou e ascendeu ao céu. Essa é a realização da salvação.

(2) Seres humanos pecadores que ouvem essas boas-novas são exortados a se arrependerem de seus pecados e crerem em Cristo. Essa é a apropriação da salvação.

Esse evangelho está no centro da igreja. A missão e o ministério da igreja consistem em seus propósitos e serviços concretos, centrados no evangelho, em relação a três “públicos-alvo”: Deus, os membros da igreja e as pessoas que estão fora da igreja.

Refletindo essa orientação tripla, os propósitos da igreja são glorificar a Deus, promover o crescimento de seus membros e engajar-se no cumprimento da Grande Comissão.

A igreja procura glorificar a Deus

Em todos os seus ministérios, a igreja tem o objetivo de difundir a fama de Deus, fazendo com que as pessoas o conheçam, bem como aos seus caminhos.

Quando novos cristãos começam a louvá-lo, quando crentes que estão sofrendo lhe dão honra em meio à dor, quando crianças cantam canções que o exaltam, Deus é glorificado.

Essa adoração é o que significa “dar glória a Deus”. Esse é um dos propósitos da igreja.
Um segundo propósito é o crescimento da igreja.

O objetivo da igreja em relação aos seus membros é transformá-los em discípulos de Cristo totalmente amadurecidos.

Mais do que um objetivo limitado ao progresso individual, a ênfase está no crescimento coletivo: em todas as suas relações.

Em todos os seus ministérios, em todas as suas crenças e práticas, a igreja busca o crescimento de todos juntos, como um único corpo em Cristo.

Desde o princípio, Deus é um Deus missionário, o que se evidencia mais claramente no fato de que o Pai enviou o Filho para realizar a salvação.

Ele dá a Grande Comissão à igreja, seu terceiro propósito: à medida que se estende continuamente para além de seus próprios muros, a igreja tem a responsabilidade de fazer discípulos de Cristo em todos os cantos do globo.

Com esse tríplice propósito em mente, a igreja se envolve no ministério, ou atos concretos de serviço.

Os ministérios mais comuns são adoração, proclamação, evangelismo, discipulado, socorros e engajamento cultural.

O culto de adoração é a atividade especial em que os cristãos se envolvem coletivamente no domingo (assunto abordado no capítulo anterior, “Adoração”).

A proclamação da Palavra de Deus, embora faça parte do culto de adoração, não se limita a esse evento.

Deus é desde o princípio um Deus que fala, o que significa que seu povo ouve e fala. Especificamente, a Escritura é o meio pelo qual Deus fala à igreja, que é “cheia da Palavra de cima a baixo”.

1 Portanto, pregar e ensinar a Palavra é essencial nos cultos de adoração da igreja, no discipulado, nos cuidados de misericórdia, na educação e tudo mais.

O evangelismo consiste em atrair os incrédulos com o evangelho. Embora o culto de adoração seja primordialmente orientado para a glória de Deus.

E os pequenos grupos possam ser primordialmente orientados para promover o crescimento de seus membros, a igreja também pode evangelizar os incrédulos por meio desses ministérios.

Atividades específicas — evangelismo de porta em porta, estudos bíblicos evangelísticos, conferências apologéticas sobre tópicos de interesse para os incrédulos — procuram envolver as pessoas que ainda não conhecem a Cristo.

O discipulado é o processo intencional, vitalício e multifacetado de desenvolvimento dos membros da igreja para que se tornem seguidores de Cristo totalmente devotados.

Esse propósito abrangente é realizado por meio da adoração, proclamação, batismo, ceia do Senhor e outras atividades associadas ao culto de adoração.

Além disso, a igreja oferece pequenos grupos, educação cristã, aconselhamento/cuidado pastoral e muito mais para o discipulado.

O ministério de socorros, ou de misericórdia, é um ministério multifacetado, voltado tanto para os que estão dentro quanto para os que estão fora da igreja.

A oração, embora sempre dirigida a Deus, pode se concentrar nas necessidades das pessoas.

A igreja ora por seus membros, especificamente por seu progresso na santificação, conhecimento de Deus e seus caminhos, crescimento no amor e muito mais.

A igreja ora pelos que estão fora, incluindo autoridades do governo, seus inimigos e os incrédulos.

Além disso, a igreja cuida das pessoas, ofertando financeiramente para apoiar seus pastores e ministérios e para ajudar seus membros que estão em necessidade.

A igreja também educa seus membros e lhes dá aconselhamento

Finalmente, o engajamento cultural é o serviço da igreja para o mundo em geral. Aplica-se particularmente na extensão da misericórdia aos pobres e desprivilegiados.

Proporciona ajuda concreta por meio de apoio financeiro, clínicas médicas, treinamento profissional, desenvolvimento comunitário e muito mais.

No centro desse engajamento está a postura da igreja, tanto para o mundo quanto contra ele. É para o mundo à medida que capacita seus membros para cumprirem o mandato cultural de construir a sociedade.

A igreja posiciona-se contra o mundo à medida que denuncia sua cultura de morte e promove vocações que aliviam a miséria, a pobreza, a injustiça, o crime e muito mais.

Base bíblica

Segundo Gregg R. Allison o evangelho tem seus precursores no Antigo Testamento. Após a Queda, o próprio Deus prometeu a redenção por intermédio da semente da mulher (Gn 3.15).

O cumprimento dessa profecia foi Jesus de Nazaré, que veio “pregando o evangelho de Deus e dizendo: Completou-se o tempo, e o reino de Deus está próximo.

Arrependei-vos e crede no evangelho” (Mc 1.14,15). Ele começou a construir sua igreja-em-missão, que seria centrada no evangelho.

O primeiro propósito da igreja é glorificar a Deus

Todas as coisas devem ser orientadas para a glória de Deus, e isso inclui a igreja: “A ele seja a glória na igreja e em Cristo Jesus, por todas as gerações” (Ef 3.21).

O segundo propósito

É resumido pela perspectiva de Paulo sobre o crescimento da igreja “até que todos cheguemos à unidade da fé e do conhecimento do Filho de Deus, ao estado de homem maduro, à medida da estatura da plenitude de Cristo” (Ef 4.13-16).

O terceiro propósito

A Grande Comissão, foi estabelecido por Jesus na ordem que deu a seus discípulos: “Portanto, ide, fazei discípulos de todas as nações” (Mt 28.18-20).

A base bíblica dos ministérios da igreja é extensa. Jesus destacou o tipo de adoradores que Deus procura (Jo 4.23,24), e Lucas fornece um retrato da adoração da primeira igreja (At 2.42-47).

A proclamação da Palavra foi a marca registrada dos profetas do Antigo Testamento, que anunciavam: “Assim diz o SENHOR” (p. ex., Is 66.1). Jesus proclamou o evangelho, assim como seus discípulos (At 2.14-41; 3.11-26; 4.5-12; 5.27-42 etc.).

A fé em Cristo é suscitada pela pregação da “palavra de Cristo” (Rm 10.14-17), um ministério contínuo que é ordenado à igreja (2Tm 4.2-4).

O evangelismo faz parte da Grande Comissão, discutida acima

Deus confiou à igreja “o ministério da reconciliação; ou seja, Deus estava em Cristo reconciliando consigo mesmo o mundo, não levando em conta as transgressões dos homens”.

Especificamente, esse ministério é “a mensagem [lit., palavra] da reconciliação” anunciada pelos “embaixadores de Cristo”, por meio dos quais Deus faz seu apelo (2Co 5.18-20).

Isso leva ao discipulado, que também faz parte da Grande Comissão. A igreja proclama a Cristo, “aconselhando e ensinando todo homem com toda a sabedoria, para que apresentemos a todos maduros em Cristo” (Cl 1.28).

O ministério de ajuda se fundamenta na descrição de Deus no Antigo Testamento como “pai de órfãos e juiz de viúvas” (Sl 68.5; cf. Dt 10.18).

Grande parte do ministério de Jesus foi dirigido aos pobres e marginalizados (Mt 9.10-13), o que lhe rendeu a reputação de ser “amigo de publicanos e pecadores” (Mt 11.19).

Tiago insiste: “A religião pura e imaculada diante do nosso Deus e Pai é esta: visitar os órfãos e as viúvas nas suas aflições” (Tg 1.27).

Os atos concretos de socorro incluem orar pelos membros da igreja (Ef 1.16-19; 3.14-19; Fp 1.9-11; Cl 1.9-14; Tg 5.13-15), líderes do governo (1Tm 2.1,2) e inimigos (Lc 6.28).

Ofertar financeiramente (2Co 8 e 9) é outro ministério de misericórdia, especificamente para dar sustento aos pastores da igreja (1Co 9.6-18; Gl 6.6; 1Tm 5.17,18) e ajudar os membros necessitados, em particular as viúvas (1Tm 5.3-16).

A posição da igreja para o mundo e contra ele está fundamentada no fato de cada um de seus membros ter sido chamado para fazer “o bem a todos” (Gl 6.9,10) e amar “o teu próximo como a ti mesmo” (Mt 22.39)

Como “o sal da terra” e “a luz do mundo”, a igreja não se encolhe de medo e se esconde nas sombras, mas obedece ao seu Senhor:

“Que brilhe vossa luz diante dos homens, para que vejam as vossas boas obras e glorifiquem vosso Pai, que está no céu” (Mt 5.13-16). Assim, a missão da igreja, que começa com glória, termina com glória.

Principais Erros Sobre a Missão e Ministério da Igreja

1. A igreja definir sua missão e seu ministério por meio de algo diferente da Escritura (p. ex., envolvimento político, preocupação com a relevância, números e dinheiro).

Essa substituição ilegítima das prioridades e diretrizes bíblicas geralmente reflete a rendição de uma igreja às pressões culturais contemporâneas.

Um desejo impróprio de ter a aprovação da sociedade, a perda do evangelho ou uma confusão a respeito do que ele significa e outras coisas mais.

2. A igreja reduzir sua missão e seu ministério a apenas alguns desses propósitos e serviços.

Esse reducionismo ilegítimo geralmente reflete os dons e pontos fortes de um pastor/líder independente.

Esse tipo de decisão também é incentivado pelo movimento de simplificação da igreja segundo a filosofia empresarial contemporânea.

Para que você possa se aprofundar e continuar seus estudos, leia o nosso próximo artigo, para você ter uma visão mais acurada do assunto indico o livro “50 Verdades centrais da fé Cristã” de Gregg R. Allison que deu origem a este artigo. Deus abençoe, até o próximo texto.

Click to comment

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *